Sergipe Turismo

Museu de Arqueologia de Xingó

Você conhece o Museu de Arqueologia de Xingó? Vamos visitar o Museu de arqueologia de Xingó (MAX) que fica localizado em Sergipe, na cidade de Canindé de São Francisco.

O MAX, como é chamado o Museu de Arqueologia de Xingó pertence a Universidade Federal de Sergipe e foi criado no ano 2000 com a missão de pesquisar, preservar e expôr o patrimônio Arqueológico de Xingó.

Museu de Arqueologia de Xingó

Canindé de São Francisco fica a pouco mais de 200 km da capital de Sergipe, o nome da cidade não é à toa, ela fica em uma das regiões por onde passa o rio São Francisco, que é um dos mais importantes do Brasil, o São Francisco nasce na Serra da Canastra em Minas Gerais, passa pelo Estado da Bahia fazendo divisão Norte com Pernambuco e servindo de Fronteira natural para Sergipe e Alagoas

ORio São Francisco une o nordeste brasileiro e rege a economia e a cultura local.

O Museu de arqueologia de Xingó (Max) é mantido pela Universidade Federal de Sergipe e está instalado no ambiente propício a quem tem interesse em conhecer o passado em contato com paisagem que interage com a usina hidrelétrica de Xingó, onde tem a caatinga Nativa, fauna rica e local onde você vai conhecer uma diversidade de artefatos pré-históricos.

Se de um lado existe o passado guardado dentro do Museu do outro a enorme usina hidrelétrica nos lembra modernidade mas os dois têm uma história em comum.

Com o início dos trabalhos de construção da usina hidrelétrica de Xingó em 1988, a Universidade Federal de Sergipe foi chamada para desenvolver um projeto de salvamento Arqueológico na área que ia ser inundada pelo reservatório da Usina.

O resultado deste trabalho foi o resgate de milhares de artefatos existentes da região há pelo menos nove mil anos, então essa parceria surgiu exatamente para fazer a integração entre o presente e o passado e assim permitir que a comunidade em geral, estudantes, turistas e pesquisadores viessem até à região e pudessem ter contato com material arqueológico pré-histórico que compõem o baixo São Francisco.

O espaço da instituição é formado por mais de 55 mil peças entre elas 240 esqueletos humanos, as Exposições destacam todas as etapas de elaboração das Ferramentas pré-históricas e práticas humanas usadas para se estabelecer na região.

Quando o visitante chega ao MAX, museu de arqueologia de Xingó, inicia-se a visita falando sobre a simulação de escavaçã. 

Arqueólogos escavaram na região com bastante cuidado, o arqueólogos foram escavando em 10 em 10 centimetros e de 20 em 20 centímetros até chegar à base rochosa para se certificar que não havia mais nada a ser encontrado durante a escavação.

Informações sobre o Museu de Arqueologia de Xingó (MAX)


Site Oficial