Escolha uma Página

Espaço Zé Peixe Aracaju

Vocês conhecem a história por trás do Espaço Zé Peixe Aracaju? José Martins Ribeiro Nunes (5 de janeiro de 1927 – 26 de abril de 2012), também conhecido como Zé Peixe ou Zé Peixe Aracaju, era um piloto marítimo (prático). Conheça a história do Espaço Zé Peixe Aracaju.

Invulgarmente, o Espaço Zé Peixe Aracaju traz a história de um homem que em vez de encontrar e partir dos navios no mar usando um barco-piloto, ele nadava dos navios, saltando alturas acima de 40 metros (130 pés) e nadando cerca de 10 quilômetros por dia.

Espaço Zé Peixe Aracaju

Espaço Zé Peixe Aracaju (Foto: Expressão Sergipana)

Beneti Nascimento, um famoso escritor brasileiro, escreveu uma vez que “A grandeza deste homem é conhecida em todo o mundo, ele é um super-herói vivo, com um brilho nos olhos e sempre um sorriso. Ele é um homem … quem não sabe o que é perigo, não tem medo, nem mesmo diante da morte “.

Espaço Zé Peixe Aracaju

Para contar sobre o Espaço Zé Peixe Aracaju é impossível não começar com a belíssima história de vida de um ilustre personagem sergipano conhecido por muitos por Zé Peixe.

História do Zé Peixe

Ele teve dois sonhos. As ondas o levaram a ele uma noite, quando ele ficou acordado e as ondas bateram contra a parede de sua casa. Ele abriu a escotilha sobre a cama e olhou.

A princípio, o céu ficou nublado de lágrimas. Então estrelas apareceram, a lua. Sonhou a noite tão brilhante quanto o dia e o mar tão suave quanto um espelho. Ele viu nuvens flutuando nele, claras e calmas.

Ele sonhava que suas brânquias e rabo de peixe cresciam, sonhava como as ondas o levariam para longe no mar até que finalmente o atingissem na cabeça e passassem por ele. Tudo ficou em silêncio, nada pôde ser ouvido. Nem as palavras da mãe, nem o riso dos outros.

Apenas o murmúrio da água. Ele escutou. Então ele ouviu o irmão doente ligar. E com isso, o sonho sempre terminava de alguma forma.

Ele manteve esse sonho para si mesmo, apenas as ondas sabiam que ele queria nadar para longe. Ninguém queria ouvir o outro, nem a mãe, nem o pai. Foi um sonho decente.

Um bom sonho Ele o viu pela primeira vez pendurado na parede das autoridades da cidade: uma barba, que se diz ser Deus, observa um veleiro atrás das costas do timoneiro e agarra seus ombros por cima do ombro.

José Martins Ribeiro Nunes, nascido em 5 de janeiro de 1927, caiu no rio à sua porta aos três anos de idade. O rio Sergipe leva troncos de árvores como fósforos, um rio poderoso. José não se afogou, embora já fosse proibido para ele ser peixe.

A mãe, Vectúria Martins, era professora de matemática, o pai Nicanor Ribeiro Nunes, oficial de justiça, e os dois não gostavam do mar. Eles moravam com seus cinco filhos em Aracaju, norte de Salvador, na foz do Rio Sergipe, no Atlântico.

A Avenida Ivo do Prado está localizada nas margens do rio. No caso de uma tempestade, a água atingiu as paredes da casa.

Ninguém entendeu por que ele estava nadando. Os peixes nadam, disseram os pais.

No Brasil, as pessoas colocam mesas e cadeiras no mar, conversam por horas, com os pés na água. Mas nadar? “Você tem cílios longos demais para um peixe”, disseram seus pais. Zé Peixe Aracaju deixou as ondas passarem por sua cabeça quando não queria ouvir nada.

Os outros meninos levaram a canoa para a Praia de Atalaia e ela nadou. Se seus pais estavam zangados porque ele não queria sair da água, ele pediu permissão para ajudar o vizinho que havia perdido a chave no rio ou para chamar o pescador que estava à deriva.

Mas se ele não queria pensar em nada, tudo o que precisava fazer era observar os navios na praia.

Uma linha para o horizonte a partir do qual as ondas se ramificam. Se ele estivesse sozinho, sim, talvez ele tivesse nadado para o mar longe. José o peixe. E teria deixado rastros. Então ele teve que voltar. Para seus pais, que pensavam que prazer era pecado.

E nadando em dúvida, caso contrário, Jesus não teria andado sobre a água. Mas o que, José pensou, mas e se você agora nadar para ajudar as pessoas?

Junto com sua irmã, ele pulou no rio de um trampolim. José não disse a Rita que ele estava nadando com ela porque você poderia compartilhar sua bronca à noite.

Quando a cidade ficou indignada com a filha de oito anos, por ter tido a audácia de não nadar como a única mulher de Aracaju, mas também de passear de biquíni no passeio, seu pai e sua mãe tiraram o equipamento de natação.

A partir de então, Rita nadou em seu uniforme escolar e secou secretamente as roupas atrás da casa.

Zé peixe Aracaju

Espaço Zé Peixe Aracaju (Foto: Grupo Minha Terra é Sergipe)

José ficou feliz quando as pessoas o chamaram Zé Peixe, Zé Peixe Aracaju, pela primeira vez. Agora eles poderiam vir, os pais. O que mais ele precisava de calção de banho? Os peixes não carregam nenhum de qualquer maneira.

E além disso, ele só nadou em serviço. A imagem na autoridade do deus piloto. Ele viu durante o dia, sonhou à noite. Ele retirou os navios, mostrou aos capitães onde a corrente era mais traiçoeira e, em alto-mar, saltou e recuou.

As pessoas da cidade elogiaram seu comportamento exemplar; o pastor falou no sábado de um concidadão que defendia os outros. Isso era e não era o que seus pais queriam ouvir. “Ele deveria fazer a lição de casa”, disse a mãe.

Mas sempre que ela olhou por cima do ombro, ela o viu pintar navios. “Ele deveria estudar”, disse o pai. Mas sempre que dizia uma palavra de poder, José pensava em quem tem todo o poder do mundo, o céu e os mares. Ele pensou no Todo-Poderoso, de pé atrás do pai e assumindo o controle dele.

Em 1947, quando ele tinha 20 anos, seu pai o deixou ir, e então ele se tornou um piloto. A foz do rio Sergipe é perigosa, a maré entra e o rio sai. Onde eles estão em conflito, as ondas sobem, muitos metros de altura. Navios emborcam, outros encalham.

Apenas um sabia para onde as dunas estavam indo da noite para o dia. Quando Zé Peixe levou os navios ao mar aberto, ele pulou no mar e nadou o caminho de volta.

A doze quilômetros da grande bóia vermelha, onde o piloto deixou o navio. Às vezes, levava seis horas ou mais para chegar à Praia de Atalaia. Quando um navio foi recebido, ele nadou, acorrentou-se à bóia, esperou a tempestade à noite, amaldiçoou o navio que estava atrasado e esperou.

No dia em que sua esposa morreu, as ondas o levaram à bóia e ele dançou com ela. Então ele nadou de volta e acordou na cama dos mortos. Foi a primeira noite juntos desde que ele se casou com ela há 25 anos. Maria Augusta Oliviera Nunes morreu como virgem.

Ela era atendente nos correios e o encontrou na praia. Ele a ensinou a nadar, a levou sobre seus ombros e o medo da água. Ela o amava, ele queria fazer um favor a ela. Então eles se casaram. Depois do casamento, ele tirou o terno preto, devolveu os sapatos emprestados e nadou até os navios no mar.

Ela esperou em vão por ele. Ela esperou todas as noites todos os anos. Ele construiu uma casa para ela, passou por ela todos os dias. Mas ele nunca ficou da noite para o dia. As pessoas em Aracaju dizem que uma vez trancaram janelas e portas; então ele escapou pela lareira.

Eles ainda estavam comemorando seu casamento de prata e, de repente, ela ficou muito doente. A única coisa que resta é a foto dela no armário. Eles estão todos mortos, sua mãe, seu pai, a maioria dos irmãos.

Em uma lápide do Cemitério São Benedito está escrito: “Você só tem o que leva quando sai deste mundo”. A mãe saiu e simplesmente deixou o que lhe pertence, suas palavras estão na sala. Ele ainda nada apenas de plantão.

Ele cospe no ar no mar e depois lê do vento onde está. A orientação é mais difícil em terra. Ele vai de bicicleta à igreja todos os sábados, mesmo que os sinos estejam tocando na fita. Inovador vem de cima, do púlpito, do céu. Modéstia, abstinência – há mais de quatro direções. Talvez seja por isso que ele nunca dormiu com uma mulher.

Talvez a ligação seja feita duas vezes por semana. O trabalho de um piloto. Ele dorme ao lado do telefone na sala de estar. Ele nunca sai. Sem cinema, sem teatro. É impossível imaginar o que aconteceria se o telefone tocasse e ele não estivesse lá.

Ele come frutas, nada mais. Ele não bebe nada. O que há na fruta deve ser suficiente. Ele pega na boca, esmaga e cospe novamente. Você tem que ser frugal em alto mar. A emergência se esconde. Ele não nada por prazer.

“Você é um peixe, mas é um peixe frágil. Você tem 76 anos e não pode mais nadar” Os capitães querem proibir sua vida? Um o segurou e agarrou seu braço. O mar estava mais forte. Ele escapou do parapeito. José nunca bate na água.

Existe uma razão para lutar? Ele coça suavemente, a cabeça acima da água e olha. Onde a onda quebra que leva para a costa? Para onde flui a corrente que vai para casa?

Os cinco pilotos de Aracaju compartilham ordens e salários. Todo mundo recebe o equivalente a 1300 euros por mês, muito dinheiro no Brasil. José só quer nadar, dá o dinheiro ao sobrinho ou ao mendigo Patrizio, que bate à porta toda quarta-feira.

Os outros pilotos estão zangados com o povo dos peixes porque ele não os apoia em suas demandas. Ele não quer uma sobretaxa de domingo, sobretaxa de férias ou dinheiro com mau tempo. Só o trabalho é suficiente para ele pagar.

Os outros pegam o barco piloto. Às vezes, quando há raios e trovões, os cortadores ligam e os pescadores perguntam se eles podem levá-lo com eles. “Para que preciso de um navio para nadar?”

Essas foram as únicas palavras que ele falou quando foi julgado. Há dez anos, o cargueiro russo “Cheremkhovo” entrou nas águas de Aracaju. O capitão nunca tinha visto o homem estranho de um metro e oitenta de altura.

Quando passaram pelo delta, o homem subiu no parapeito da ponte de comando e o capitão descobriu que a associação de pilotos o havia desviado. “Pare com ele, um suicídio!” O capitão lançou um barco e o procurou. Isso custou à transportadora muito tempo e dinheiro.

Eles processaram por danos. O tribunal o absolveu. Ele só queria nadar.

De todos os pilotos, apenas Zé Peixe Aracaju conhece as armadilhas do Rio Sergipe. Alguns anos atrás, um porto maior foi construído diretamente na costa. A maioria dos navios não precisa mais subir o rio para Aracaju.

A bóia também não está mais disponível. Onde estavam, barcos-piloto estão esperando hoje. Zé Peixe Aracaju só pode nadar se liderar um navio do Delta. “Nenhum barco entra ou sai sem ele”, diz um capitão, “se ele morrer, o navio no rio também morre”

Suas costas já se dissolveram no mar. A pele ondula no pescoço e acena nos ombros. Eles partem em filas da pista que percorre todas as costas – como se um navio tivesse aberto o caminho para a espinha. Existem sulcos e dobras do sal. Ele não toma banho desde a Segunda Guerra Mundial.

Ele ainda não está autorizado a nadar. Ao lado do quarto de José, seu irmão Antonio se agacha em uma poltrona, balançando a cabeça para frente e para trás com suor. Ele nasceu doente. Incesto. As avós de José, Malvina e Emilia, eram irmãs.

O amor tem que permanecer no círculo de entes queridos. José cuidava dos navios, as meninas não. Às vezes era o irmão, às vezes a mãe, a quem ele não queria deixar para si à noite.

Então ele fica sozinho em sua cama todas as noites e ouve as ondas. Ele teve dois sonhos. Agora não há. Um se tornou sua vida, o outro sua morte. Uma noite, quando as ondas não dormem e o céu borra com lágrimas, brânquias e rabos de peixe vão crescer.

As ondas o levarão para longe, e onde costumava haver uma bóia vermelha, elas seguirão em frente sem ele.

Informações sobre o Espaço Zé Peixe Aracaju

O Espaço Zé Peixe Aracaju está localizado na avenida Ivo do Prado,